Para evitar o Burnout, fale com o chefe-robô

Para evitar o Burnout, fale com o chefe-robô

Paulo Silvestre

13 de dezembro de 2021 | 07h28

A partir de 1 de janeiro, a Síndrome de Burnout passará a ser classificada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como um “fenômeno ligado ao trabalho” e não mais um problema de saúde mental ou um quadro psiquiátrico. Isso pode ter um grande impacto na relação entre profissionais e empresas e em processos trabalhistas, pois os empregadores poderão ser responsabilizados pelo problema, tendo até mesmo que indenizar os trabalhadores que desenvolverem esse quadro.

O papel do gestor torna-se ainda mais importante nesse novo cenário, pois ele é responsável, direta ou indiretamente, por ação ou por omissão, por um eventual esgotamento da equipe. Por isso, uma pesquisa realizada pela Oracle e pela Workplace Intelligence se torna ainda mais emblemática. Segundo esse levantamento, 68% dos profissionais preferem falar com um robô sobre estresse e ansiedade no lugar de seus gestores.


Veja esse artigo em vídeo:


A Síndrome de Burnout sempre existiu, em maior ou menor escala. Ela consiste em um esgotamento profundo do profissional por uma carga excessiva de trabalho. Mas ganhou destaque há alguns anos, pelo aumento da sua ocorrência em todo o mundo, inclusive no Brasil. Segundo a OMS, os seus sintomas incluem sensação de esgotamento, cinismo ou sentimentos negativos relacionados a seu trabalho e eficácia profissional reduzida.

Sua classificação como “fenômeno ligado ao trabalho” pelo órgão vem de 2019, mas passa a valer na virada do ano com a entrada em vigor da 11ª edição da CID, a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. A CID é um documento que define globalmente os problemas de saúde, e essa edição resulta de mais de uma década de pesquisas.

Na CID-11, a Síndrome de Burnout é descrita como “estresse crônico de trabalho que não foi administrado com sucesso”. Na edição anterior, ela era considerada como um problema na saúde mental e um quadro psiquiátrico.

Essa descrição já deixa clara a importância da figura do gestor. Afinal de contas, salvo no caso de profissionais autônomos, é ele quem determina o que, quanto e em que ritmo cada profissional de sua equipe deve trabalhar. Ele pode falhar nessa administração do trabalho tanto por exigir demasiadamente do time, quanto por não observar e gerenciar abusos ou desvios de conduta de alguns de seus membros. Logo, o desenvolvimento de quadros de Burnout na equipe recai sobre o gestor e, por extensão, sobre a empresa, até mesmo na esfera legal.

Certa vez, vi uma definição que serve muito bem aqui. Ela dizia que, enquanto ainda não somos gestores, produzimos valor a partir de nossa força de trabalho, mas, quando nos tornamos, produzimos valor a partir da força de trabalho dos outros.

Por isso, entre as atribuições do gestor, está criar possibilidades, oferecer recursos e remover barreiras para que os membros da equipe realizem um bom trabalho, extraindo o melhor que cada um tem a oferecer. Um bom gestor tem uma equipe produtiva e feliz!

Poderíamos dizer até que a eficiência da gestão pode ser medida pela quantidade de quadros de esgotamento em um time. Se há muitos casos, é hora de trocar de gestor.

 

Liderança com inteligência artificial

Diante disso tudo, fica fácil entender o sucesso de empresas que oferecem uma gestão mais humanizada, com o foco nas pessoas da organização. Profissionais mais felizes, com boas condições de trabalho, que são ouvidos e participam de decisões, tendem a produzir mais e melhor, sem adoecer por isso.

O gestor precisa, portanto, desenvolver um perfil igualmente humanizado, para oferecer um ambiente positivo, de confiança e de trocas construtivas na equipe. Deve ser capaz de identificar o que vai bem e o que vai mal entre seus membros e tomar ações necessárias a partir disso. E, finalmente, precisa ser capaz de ouvir com empatia o que as pessoas têm a dizer.

Por isso, a pesquisa da gigante de software Oracle e da consultoria de RH Workplace Intelligence se torna ainda mais emblemática. A edição de 2020, realizada com mais de 12 mil profissionais de 11 países (inclusive do Brasil), identificou que 68% da força de trabalho prefere falar com um sistema com inteligência artificial sobre estresse e ansiedade a fazer isso com seu gestor. No Brasil, esse número é de 64%.

Tanto é assim que a grande maioria dos entrevistados (86% no Brasil e 80% no mundo) está aberta a ter um robô como terapeuta ou conselheiro. Para 87% dos brasileiros, a inteligência artificial os ajudou com sua saúde mental no trabalho. Os principais benefícios indicados foram informações para fazer seu trabalho com mais eficiência (42%), automatizar tarefas e reduzir a carga para evitar o Burnout (41%) e reduzir o estresse ajudando a priorizar tarefas (34%).

A edição de 2021 desse mesmo estudo, que entrevistou mais de 14 mil pessoas em 13 países, indica que essa preferência por “chefes-robôs” continua. Para 82% dos profissionais, os robôs podem apoiar o desenvolvimento de suas carreiras melhor do que os humanos. Eles acreditam que os sistemas são melhores em dar recomendações imparciais (37%), fornecer recursos adaptados às habilidades ou objetivos (33%), responder rapidamente a perguntas sobre sua carreira (33%) e encontrar novos empregos que se encaixem em suas habilidades (32%).

Mas nem tudo está perdido para os gestores humanos. A edição mais recente da pesquisa aponta que as pessoas ainda são melhores em oferecer conselhos com base na experiência pessoal (46%), identificar pontos fortes e fracos (44%), olhar além de um currículo para recomendar funções que se encaixem em sua personalidade (41%) e fornecer recomendações para novos empregos ou funções (38%).

Não é de hoje que se discute a diferença entre um “chefe” e um “líder”. O primeiro é aquele que manda, que exige, que critica, que pune, colocando-se acima da equipe. Já o segundo acompanha, orienta, ensina e incentiva, posicionando-se como parte do time. O “chefe” responsabiliza a equipe pelos fracassos, enquanto o “líder” vibra com todos pelos sucessos.

A diferença não é sutil e aparece muito claramente nessas pesquisas. As pessoas querem condições para realizar um bom trabalho, e fazem isso se são atendidas. Além disso, em um mundo que ainda sente os efeitos da pandemia, com estresse e desorientação de carreiras, buscando novos formatos de trabalho, o equilíbrio da vida pessoal e profissional fica ainda mais importante.

É uma pena que ainda tenhamos muito mais “chefes” que “líderes”, pois todos perdem com isso. Empresas que já sentiram os ventos da mudança investem em gestões mais humanizadas. Por outro lado, chefes que continuam a tratar os membros de sua equipe como máquinas acabarão sendo substituídos por robôs.

Será que teremos que chegar a isso para finalmente entender a importância do ser humano?

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.