Por que o Brasil perdeu duas posições no Índice Global de Inovação

Por que o Brasil perdeu duas posições no Índice Global de Inovação

Paulo Silvestre

25 de julho de 2019 | 09h00

O Brasil caiu duas posições no Índice Global de Inovação. Por que isso aconteceu?

Já estávamos em uma posição ruim: fomos da 64ª em 2018 para a 66ª, entre 129 países. Não lideramos nem na América Latina: ficamos atrás do Chile (51), Costa Rica (55), México (56) e Uruguai (62).

No topo, estão Suíça, Suécia, EUA, Países Baixos e Reino Unido. A lista é publicada anualmente pela Universidade Cornell, pelo Instituto Europeu de Administração de Empresas e pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual.

Isso é um tremendo pepino para o país. Mas, apesar de ser chato, não chega a ser uma surpresa.

Essa queda acompanha outras listas onde vamos sendo ultrapassados, como o tamanho da economia (somos a 9ª, mas já fomos a 6ª), produtividade empresarial e indicadores sociais, como a educação.

Ela, aliás, está na raiz disso tudo, mas não pode levar toda a culpa. Há questões culturais do brasileiro a serem resolvidas, um ambiente hostil aos negócios e entraves legais.

Para ajudar a responder essas questões, nesta quarta, conversei sobre o tema com Roberto Meir, especialista internacional em relações de consumo e varejo e CEO do Grupo Padrão, durante o Whow! Festival de Inovação, que acontece em São Paulo. Você pode assistir à conversa na íntegra(16’20”) no canal do Whow! Festival de Inovação no YouTube, em https://www.youtube.com/watch?v=IGXpuKRoyqk

Acompanhe os insights no vídeo abaixo. E depois conte para nós como a sua empresa inova.


 

Tudo o que sabemos sobre:

inovaçãogestãoeducaçãoPaulo Silvestre

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: