Quando um jornal morre

Quando um jornal morre

Paulo Silvestre

31 Outubro 2012 | 18h11

Poucas horas depois de meu post anterior, em que mencionei que o JT estava com dias contados, o Grupo Estado confirmou a história. Quase praguejei o que tinha escrito, como se isso tivesse algum efeito sobre o desfecho do Jornal da Tarde.

Hoje fui até a banca em comprei um exemplar da última edição do JT, a de número 15.409. Esperava encontrar algum especial sobre a história do jornal e sobre tudo o que ele já representou. Na verdade, se eu pudesse, eu teria feito a edição interia sobre o próprio JT. Uma maneira digna de encerrar uma trajetória de 46 anos, que marcou o jornalismo brasileiro com tiradas arrojadas e muita inovação, protagonizadas por um veículo que incentivou muita gente boa a abraçar essa profissão apaixonante e incompreensível para quem não faz parte dela.

Mas não encontrei muita coisa nessa linha: apenas uma bonita capa, acima reproduzida, à esquerda (exatamente com a manchete que eu tinha “chutado” que seria), um editorial hermético, que não explicou nada sobre os reais motivos que levaram o JT a seu fim, e quatro páginas de história.

Então eu percebi que o JT tinha mesmo morrido, depois de uma longa agonia. Morreu de cegueira, resultante da “catarata” que acomete as empresas de comunicação, mencionada por Caio Túlio Costa durante o seminário “Os desafios éticos e legais nas empresas jornalísticas”, promovido pela ANJ (Associação Nacional de Jornais), no dia 26 de novembro passado. E foi cego até o fim, até referido o editorial, que resistiu e não contou ao leitor o que realmente aconteceu com o JT (e continua acontecendo com os jornais). Pelo menos não disseram que foi “essa Internet” que acabou com ele. O que realmente encerrou essa história foi a incapacidade empresarial de aceitar as mudanças que a tecnologia e principalmente o público estão impondo aos produtos jornalísticos e seu modelo de negócio.

Negócios mal geridos fecham. Mas jornais não são apenas negócios, não são apenas tinta no papel: eles carregam valores que muitas vezes se misturam com os de sua cidade. Por isso, eles morrem.

Por isso, agora estou de luto. Triste não apenas pelo fim do JT, mas também porque não foram capazes de salvá-lo. Triste porque ainda não entenderam que a única maneira de impedir que outros veículos tenham o mesmo fim em breve é desconstruir esse negócio e esse produto e refazê-los de outra forma.

O jornalismo não vai acabar. Pelo contrário: ele está pujante e hoje há espaço e mecanismos para que ele floresça como nunca! Mas bom jornalismo não é só dinheiro e tecnologia. Antes de tudo, ele é feito por bons jornalistas, tanto na Redação quanto na área de negócios. Sim, os homens de negócios também devem ser “jornalistas”, com ou sem aspas, pois colocar “executivos tradicionais” da indústria de alimentos (ou de qualquer outra) nessas cadeiras talvez não funcione, pois eles podem não entender essa loucura que é fazer notícia.

Lamento a morte do JT. E lamento que, daqui a bem pouco tempo, ninguém mais se lembrará dele. Mas não poderia ser diferente: jornalismo é a arte de sintetizar o mundo em um momento. No momento seguinte, tudo é desfeito e refeito do zero novamente, e novamente.

Nós, jornalistas, costumamos dizer que a nossa obra-prima de hoje amanhã embrulhará peixe. Isso é uma verdade literal, pelo menos para a imensa maioria das páginas. Mas algumas do JT nunca terão esse destino, como suas capas inesquecíveis.

Uma delas, a de 6 de julho de 1982 (no alto, à direita), sobre a desclassificação do Brasil na Copa da Espanha, é a melhor de todas para mim. A foto de Reginaldo Manente, que captou um misto de choro contido e orgulho do pequeno torcedor, representou com maestria o sentimento de toda a nação pela derrota da seleção.

Hoje essa capa representa o que eu sinto pela morte do JT. Que ela não tenha sido em vão!