Que diferença um dia faz

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Que diferença um dia faz

Paulo Silvestre

18 de maio de 2020 | 08h32

Quando todos a sua volta estão perdendo a cabeça, é hora de você manter-se centrado e deixar a sua humanidade transparecer!

Tradicionalmente falo aqui de técnicas de marketing e de transformação digital. Muito mais poderoso que isso é, entretanto, demonstrar sua empatia e a sua sensibilidade com as pessoas a sua volta, especialmente em um momento de crise, como a que estamos passando. Essa é uma crise diferente das outras, pois não é apenas econômica ou política: ela é tudo isso, mas também é um seríssimo momento de ruptura na saúde das pessoas, que pede até que fiquem em casa para se proteger de um inimigo invisível.


Veja esse artigo em vídeo, com música para entender ainda mais:


O resultado disso é um desequilíbrio emocional na sociedade, inclusive em nossos clientes. O problema é que nós também somos afetados por esses sentimentos. Precisamos nos recompor e organizar nossas ideias para demonstrarmos empatia verdadeira com o outro. Isso cria um poderoso vínculo entre nós, que certamente renderá bons frutos a todos.

Essa reflexão começou com o  belíssimo comercial do WhatsApp para o Dia das Mães, embalado pela música “What a Difference a Day Makes”. Eu adoro essa canção, que conheci quando eu ainda era criança, em uma em uma versão apenas instrumental, com o trompete de Billy Butterfield e a orquestra de Ray Conniff.

Bom, mas por que eu estou contando tudo isso?

Porque há muitos anos, no início da minha carreira, eu estava no hotel Maksoud Plaza, para onde eu tinha ido para participar de uma coletiva de imprensa, quando encontrei no elevador, totalmente ao acaso, o próprio Ray Conniff, com seus impecáveis cabelo, barba e terno brancos.

Depois de ficar olhando para ele por alguns segundos tentando lembrar de onde eu conhecia aquela figura, exclamei: “Ray Conniff?” E apesar de nossa conversa ter durado apenas o tempo do elevador, ele foi bastante simpático com essa fã inesperado.

Precisamos aprender a fazer isso!

Temos que entender que o nosso sucesso depende de mais que atender bem nosso cliente, nosso público, nosso fã: a gente precisa demonstrar a nossa humanidade com ele, aprender a se colocar no lugar dele. E estamos passando por um momento em que isso está importante demais, com tudo que a pandemia do novo coronavírus está provocando.

Não pense que é só você que pode estar angustiado! Essa crise impactou todo mundo, de um jeito ou de outro: está tudo fora do lugar!

Pergunte a você mesmo: o que você pode fazer para ajudar as pessoas com quem você se relaciona?

Sei que está todo mundo tentando se reinventar ou pelo menos encontrar maneiras de garantir as suas receitas. O medo de seu negócio quebrar ou de perder o emprego durando tanto tempo é terrível! Nessas horas, entramos em um modo de “luta pela sobrevivência”, em que algumas coisas acabam sendo sacrificadas sem percebermos. Ficamos muito fechados em nós mesmos.

Só que, nessas horas, deveríamos fazer exatamente o contrário! Temos que nos abrir para o mundo, prestar atenção ao outro, resgatar o que temos de melhor dentro de nós!

Se estamos querendo garantir nosso emprego, manter nosso negócio funcionando, temos que nos fixar nas necessidades do cliente, e encontrar uma maneira de atendê-las.

Aí entra a transformação, que pode ser digital ou não. Pode ser com elementos que passem a sensação de segurança e higiene, como uso de máscaras pela equipe, oferta de álcool em gel, manter o ambiente limpo, arejado e com pouca gente. Pode ser com comunicações criativas que identifiquem as necessidades de cada um e entregue, pelos meios digitais, ofertas que realmente sejam úteis para cada pessoa, individualmente. Pode ser por demonstrar uma preocupação genuína com a segurança de sua equipe, oferecendo-lhes todas as condições para que possam continuar realizando suas tarefas com segurança, seja na casa de cada um ou no local de trabalho, se assim for necessário.

Acima de tudo, precisamos deixar claro que não estamos preocupados apenas conosco, e sim com todos. Afinal, essa crise só vai passar quando ela passar para todo mundo. Cada um de nós pode contribuir com isso de alguma maneira.

Entre as habilidades que estão sendo mais valorizadas agora, e que serão ainda mais valorizadas quando tudo voltar “ao normal”, estão a adaptabilidade, a resiliência e a empatia. E vale dizer que empatia não é a mesma coisa que simpatia.

Simpatia é você querer ser legal com o outro, o que não é ruim. Mas isso gera desconexão, pois você não quer, de verdade, se envolver com os problemas da pessoa. Já a empatia gera conexão. Você está verdadeiramente querendo entender e atender o outro. E, mesmo que você não saiba ainda como, você está ali, junto, genuinamente.

Fico olhando à minha volta, para o comportamento das pessoas, inclusive de muitas lideranças políticas e empresariais, e vejo que estamos muito, muito mal nisso! As pessoas estão querendo garantir o delas, e o resto que se lasque! Na verdade, é pior que isso: há aqueles que usam os outros para atingir as suas necessidades, mesmo que isso coloque em risco as pessoas.

Isso é desumano!

Que sociedade é essa que estamos construindo, que vamos deixar para nossos filhos? Se essa pergunta não for suficiente para sensibilizar o discurso, reforço que isso também é negócio! As pessoas estão de olho nisso tudo, e, cada vez mais, compram de marcas que apresentam valores humanizados, que demonstrem transparência e preocupação com a sociedade.

Carl Jung, criador da psicologia analítica, disse certa vez: “conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas, ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana.” Por mais que ele tenha dito isso no contexto da psicologia, a frase é de um brilhantismo ímpar, e pode ser aplicado a virtualmente qualquer área.

Em outras palavras, não adianta nada você ter uma empresa azeitada, modelo de negócios bacana, a melhor tecnologia, se você não consegue tocar o seu público. E tem que fazer isso como disse o Jung: “sendo uma alma humana”, principalmente quando as pessoas mais precisam de você, como agora.

Vamos juntos construir uma sociedade mais humana! Esse é o convite que eu faço a vocês. Talvez até um desafio, mas um desafio do bem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: