Reflexão: somos facilmente manipuláveis?

Reflexão: somos facilmente manipuláveis?

Paulo Silvestre

15 de maio de 2019 | 10h38

Cena do filme

Cena do filme “Ele Está de Volta”, em que Adolf Hitler “acorda” nos dias atuais

A vida imita a arte ou vice-versa?

O filme “Ele Está de Volta” (“Er ist wieder da”, Alemanha, 2015) sugere o que aconteceria se Adolf Hitler magicamente “acordasse” hoje. Depois dos primeiros dias de desorientação, ele passa a ser quem ele é.

Ao andar pelas ruas, conclui que o país está tomado por valores “degenerados”, sob a ótica nazista: imigrantes, liberdade de pensamento, ascensão das mulheres, homossexualismo. Ao propagar suas ideias, vira um fenômeno instantâneo de mídia, no YouTube e na televisão.

Apesar de afirmar que é o próprio Hitler, obviamente ninguém acredita nisso. Os mais próximos acham que é um ator que não consegue sair do papel. Ainda assim, suas ideias ultraconservadoras fazem enorme sucesso, com boa parte da população acreditando que aquilo seria a solução para os problemas atuais. Sua reputação só é manchada quando atira em um cachorro, o que choca a opinião pública. Mas logo todos esqueceram do episódio, e ele voltou com ainda mais força.

Classificado como comédia, o filme faz uma profunda crítica à ascensão de políticos conservadores em todo o mundo. Em determinado momento, o próprio Hitler conclui que o povo alemão é “um bom material de trabalho”.

Será que é isso que todos nós nos tornamos?

Tudo o que sabemos sobre:

cinemapolíticaconservadorPaulo Silvestre

Tendências: