Reflexão: transformação digital não é para carneiros!

Reflexão: transformação digital não é para carneiros!

Paulo Silvestre

09 de abril de 2019 | 20h30

A personagem Capitã Marvel sai de uma Blockbuster em 1995, depois de literalmente cair na Terra, dentro da loja - foto: divulgação

A personagem Capitã Marvel sai de uma Blockbuster em 1995, depois de literalmente cair na Terra, dentro da loja

A transformação digital sempre dá certo?

NÃO!

Falha quando, como tudo na moda, um monte de gente faz de qualquer jeito, seguindo “formulinhas” de webinars ou “gurus” da Internet.

Se você for mais um carneiro no rebanho, não está se diferenciando! Na melhor das hipóteses, só “trocou de fazenda”, para uma mais moderninha; na pior, vai cair no barranco, porque o líder do rebanho é míope.

Transformação digital é mais “transformação” que “digital”. Acontece nas cabeças! Nem a mais incrível tecnologia resolverá problemas de um modelo de negócios moribundo, da incapacidade de correr riscos, adotar um pensamento não-linear, colaborar, romper tabus.

Exemplo: até não muito tempo atrás, videolocadoras se batiam para oferecer uma melhor experiência nas lojas, com diversidade de títulos e outros serviços, foco no consumidor, CRM e tudo mais!

Até que uma delas, chamada Netflix, percebeu que a verdadeira inovação era transmitir o conteúdo pela Internet.

Onde está a Blockbuster? Estereótipo de coisa poderosa que morreu, aparece em filmes de época, como em Capitã Marvel (foto).

Esse e outros insights vieram do evento organizado pelo Experience Club nesta terça, do qual participei. Grandes mentes juntas discutindo temas incríveis!