Sua próxima casa será muito diferente da atual

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Sua próxima casa será muito diferente da atual

Paulo Silvestre

25 de maio de 2020 | 09h26

A casa do futuro chegou!

Isso não é slogan de corretor de imóveis. As alterações em nossa vida, profundamente aceleradas pelo Covid-19, já começam a pautar mudanças em nossas residências. Elas visam, por exemplo, harmonizar moradia com trabalho e estudo dos vários membros da família em um mesmo ambiente, ao mesmo tempo.

Coisas que demorariam ainda uma década ou mais para se consolidar já estão no radar dos arquitetos e dos fabricantes de eletrônicos e até de mobiliário, e podem chegar ao mercado muito em breve.


Veja esse artigo em vídeo:


Há alguns dias, conversando com o presidente da operação brasileira de uma multinacional, falávamos das mudanças que a pandemia estava provocando em nossas vidas. Acabamos caindo no assunto de home office, que está tão em alta com as regras de distanciamento social.

Ele me disse que a casa dele tinha praticamente virado um coworking! Afinal, além dele, a mulher e os filhos, que já são adultos, estão trabalhando em casa. Disse brincando que, daqui a pouco, todos teriam que assinar um NDA (documento de confidencialidade) para que um não espalhasse informações do trabalho do outro, que ouvisse pelos corredores da casa.

De fato, o home office passou de algo para o que muitos gestores e muitas empresas torciam o nariz, para uma opção mais que viável: desejável para muitos deles e também pra muitos profissionais. A essa altura, parece ser inevitável que, pelo menos parte dos funcionários, continuará fazendo home office quando os escritórios finalmente reabrirem. Mas há a preocupação daqueles que não têm condições de fazer um bom home office, por falta de equipamento, de uma boa conexão à Internet e até pelas interferências domésticas.

É óbvio que será necessária uma mudança cultural em muitas empresas. Se você deseja que seu funcionário trabalhe de casa para você, você deve fornecer a ele tudo o que for necessário, e isso inclui todos os equipamentos, como computador, celular e o que mais for preciso, e, no mínimo, uma boa conexão à Internet, assim como já faz para quem trabalha no escritório. Mas sobra a questão das interferências do ambiente doméstico. E nossas casas não são preparadas para que os membros da família trabalhem e estudem regularmente nelas.

As casas sempre se adaptaram ao jeito que vivemos. Em um primeiro momento, nós vamos fazendo adaptações ao que já temos, onde moramos. Mas é interessante observar que essas mudanças acabam sendo incorporadas nos novos projetos arquitetônicos.

Conversei com vários especialistas sobre o assunto recentemente. Por exemplo, uma casa da década de 1950, é muito diferente de uma casa lançada hoje. Até a disposição dos cômodos era muito diferente.

Eu mesmo, na época da faculdade, morei em um apartamento justamente de 1950. Apesar de o imóvel ser imenso para os padrões atuais, o prédio tinha menos garagens que apartamentos! Afinal, naquela época, os carros não eram tão difundidos assim.

Por outro lado, de 20 anos para cá, os novos imóveis têm tantas vagas de garagem quanto dormitórios. Mas agora, com a consolidação da economia compartilhada e muita gente vendendo seus carros para andar só por transporte por aplicativo, talvez a necessidade por garagens diminua de novo.

Outro exemplo interessante é a nossa relação com a televisão. Ela ocupa -ou ocupava- um espaço tão grande em nossas vidas que as casas foram mudando por causa disso.

A TV chegou ao Brasil em setembro de 1950. Ao longo daquela década e da próxima, ela se tornou um objeto central na vida familiar, ganhando destaque na sala de estar. Afinal, a família se reunia para ver TV, e havia só uma TV na casa.

Nos anos 1980 e 1990, com a popularização do aparelho, os filhos adolescentes começaram a ter TV no seu quarto. A “TV da família” desapareceu e ter TV na sala passou a ser indesejado. Os imóveis começaram a sair então com cômodos chamados de “salas de TV” ou “salas íntimas”, entre a sala de estar e os dormitórios. Mas, na última década, a TV voltou para a sala de estar, pois ela se tornou uma tela grande e de compartilhamento de experiências com outras pessoas. E quem puxou isso foram os videogames e os serviços de streaming.

 

Morar, estudar, trabalhar

Agora a pandemia de Covid-19 acelera modificações na casa para transformá-la em um espaço híbrido, que mescla moradia, estudo e trabalho. Já se observa, há alguns anos, empreendimentos de alto padrão que têm, nas áreas comuns, espaços de coworking. Mas, agora, isso deve vir para dentro do espaço privado.

Outras coisas que vemos, há uns 20 anos, são os condomínios se transformando, em verdadeiros clubes. Alguns têm lojas e até escolas dentro de seus muros! Queremos depender cada vez menos do mundo externo. Mas, se até então isso acontecia por questões de segurança contra a violência, a nova realidade se impõe por segurança da nossa saúde. O externo não é mais o que está além dos muros do condomínio, mas o que está além da porta da nossa casa.

Segundo os arquitetos, as novas casas aproveitarão todos os espaços. Nada de áreas perdidas. As plantas dos novos imóveis deverão pensar em como favorecer o convívio familiar, enquanto são capazes de criar soluções para uma família que também trabalha e estuda no mesmo espaço, ao mesmo tempo.

Como em um coworking, pode haver áreas de trabalho compartilhadas, como a sala, e individuais, como os quartos. Esses cômodos precisarão ter estrutura para essas tarefas.

Os ambientes deverão ter muitas tomadas e ar-condicionado central. A conexão será por WiFi, sem fios. A Internet deverá ser muito rápida e estável. Além disso, ela já deve ser pré-instalada, como hoje acontece com eletricidade e água.

Ainda poderemos contar com uma “nuvem doméstica”, um espaço seguro de compartilhamento de arquivos na família, assim como equipamentos como impressora, por mais que já estejamos migrando para um mundo com menos papel.

Os eletrodomésticos e até a mobília também precisam evoluir. Tudo deve ser facilmente conectado, sem fios. Os móveis devem ser facilmente movimentados, modulares e contar com facilidades, como mesinhas e porta-trecos embutidos.

Além disso, a casa terá mais “vida”! Os ambientes deverão ser mais iluminados e arejados, além de serem mais coloridos. A vegetação também será mais presente. Tudo isso, além de tornar o local mais vibrante e agradável para todos, deixa  tudo mais bonito para videochamadas, cada vez mais comuns. E por falar nelas, a acústica entre cômodos -e entre os vizinhos- também deve ser uma preocupação desses novos empreendimentos.

Até a malhação pode ganhar espaços e equipamentos portáteis, para cuidar do corpo sem sair casa.

E mais uma mudança impulsionada pelas questões sanitárias: o hall, aquele cômodo na entrada que não servia para muita coisa, agora será um espaço para se deixar sapatos, casacos e outros vestuários do “mundo externo”. O local pode ter até luzes ultravioletas, que são bactericidas.

Como se pode ver, nossas casas devem passar por profundas transformações, de diferentes naturezas, até digitais. E não é preciso esperar sair um novo superempreendimento para usufruir disso tudo. Muitas mudanças já podem ser feitas agora mesmo, com equipamentos e mobiliários já disponíveis no mercado.

É um caminho que está aberto. Cabe a cada um de nós trilhá-lo.

Ainda que seja dentro de casa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: