Uruguai mostra como distribuir notebooks a alunos

Gabriel Pinheiro

16 de junho de 2009 | 03h02

Recebi hoje o vídeo abaixo (em espanhol), que resume o processo de distribuição de notebooks educacionais aos alunos do Uruguai e seu estágio atual. Vale a pena investir nele 12 minutos do seu tempo.

[vimeo http://vimeo.com/2465202]

Mesmo considerando que o Uruguai tem uma escala muito menor que o Brasil -o que facilita imensamente a implantação de um projeto dessa natureza- o fato é que eles já têm 170 mil alunos individualmente com computadores (42,5% do total), 91% deles com conexão à Internet e 18 mil professores capacitados (ou em processo). Interessante também notar que a máquina adotada é o XO, do projeto One Laptop Per Child, de Nicholas Negroponte, que no Brasil não consegue vencer pregões do governo.

Mas o que me chamou mais a atenção é que as crianças efetivamente levam o computador para casa, exatamente a proposta original da iniciativa, visando a inclusão digital de toda a família. Sensacional! No Brasil, as máquinas deverão ficar restritas ao ambiente escolar, pois há um grande temor de roubo dos equipamentos. Foram criados dispositivos para desestimular esse crime, como o notebook ser automaticamente inutilizado caso não se conecte à rede educacional por um período de tempo razoável. Ainda assim, não deve mesmo ir além dos muros da escola. É uma pena, pois o Uruguai demonstra que a inclusão digital da família realmente acontece.

Só senti falta no vídeo de saber como é a experiência pedagógica com os equipamentos. A peça, muito bem editada com o intuito de ser uma bela propaganda, se resume a mencionar atividades que os alunos podem fazer com o equipamento, mas não como isso se integra ao dia a dia da sala de aula, o que é crítico e pode separar uma iniciativa bem-sucedida de um fracasso retumbante.

Enquanto isso, aqui no Brasil, o primeiro dos pregões, para aquisição de 150 mil máquinas, está empacado por disputas judiciais. Que lástima!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.