Vivemos na época da criação coletiva das ideias (e é bom você aprender isso, não interessa o que faça)

Vivemos na época da criação coletiva das ideias (e é bom você aprender isso, não interessa o que faça)

Paulo Silvestre

08 de dezembro de 2017 | 19h45

Foto: Creative Commons

O brasileiro costuma dizer que trabalha em equipe. De fato, somos um povo amigável e solícito, mas infelizmente isso não quer dizer que trabalhemos bem uns com os outros. E um dos momentos em que essa realidade feia mais aparece é no compartilhamento de ideias: se eu tive uma ideia, ela é minha e ninguém deve lucrar com isso além de mim mesmo. Para quem pensa dessa forma, eu tenho duas péssimas notícias. A primeira é que essa pessoa está perdendo muito dinheiro. A segunda, muito mais dramática, é que ela está rumando para a própria extinção! Daí eu lhe pergunto: quantas pessoas você conhece que se encaixam nesse perfil ultrapassado?

Em tempos em que muito se fala de cultura e de transformação digital, não há mais espaço para esse pensamento tacanho. Na verdade, vivemos alguns fenômenos sociais curiosos. O primeiro deles é o que várias pessoas parecem ter a mesma ideia brilhante ao mesmo tempo. E nem de longe isso quer dizer que um a copiou do outro! Vivemos imersos em um caldo cada vez mais grosso e rico de informações de todo tipo. Em cima disso tudo, os algoritmos de relevância das redes sociais estimulam pessoas semelhantes com as mesmas fontes.


Vídeos relacionados:


O resultado disso: a mesma ideia pipocando aqui e acolá ao mesmo tempo.

Isso vale principalmente para aquelas que podem se transformar rapidamente em produtos e serviços de nosso cotidiano. E quando essas convergências de ideias acontecem, infelizmente o que vejo por aí é uma parte processando a outra por plágio.

Nada mais estúpido! A começar porque as duas iniciativas, por mais parecidas que sejam, possivelmente são legítimas e inéditas. Além disso, ao partir para o embate, perde-se a chance de embarcar em outro interessantíssimo fenômeno social do momento: a criação coletiva de ideias.

Costumo brincar que não existem coincidências em um mundo de redes sociais onipresentes. Se duas pessoas tiveram a mesma ideia, é um sinal de que elas possivelmente poderiam unir forças para melhorá-la, de modo que ambos ganhem ainda mais! Pois, apesar de a ideia ser parecida, as pessoas têm habilidades diferentes e muitas vezes complementares.

Parece óbvio! E, de certa forma, é mesmo. Mas isso exige uma mudança cultural profunda. Esse comportamento colaborativo é o motor de regiões em que a tecnologia e os negócios acontecem em ritmo frenético, como o Vale do Silício. E não quero dizer que dá certo sempre! Mas, pelo menos, os erros são identificados e corrigidos mais rapidamente e, quando a coisa emplaca, os resultados tendem a ser melhores.

 

Pare de querer ser sempre o melhor!

É verdade que essa cultura tem diferentes raízes. Começa infelizmente o nosso sistema educacional, que tem três pilares terríveis. O primeiro é o privilegiar a erudição em detrimento do desenvolvimento de habilidades práticas. Além disso, é um ambiente em que os alunos são obrigados a repetir com exatidão o que lhes é apresentado, o que favorece que as crianças decorem ao invés de entender, contrariando a natureza humana de aprender com os erros. Por fim, nossas escolas têm o péssimo hábito de favorecer a competição irracional, onde quem tira as notas mais altas, os melhores do time, os mais comportados viram os queridinhos dos professores.

Esse é um assunto recorrente em meus artigos. Não estou propondo que não sejamos bons no que fazemos, pelo contrário! O problema é quando isso descamba para “o fim justifica os meios”. Pois uma decorrência comum disso é o ímpeto de querer tudo sozinho, e trabalhar apenas para ser o melhor (e conseguir os benefícios disso), sem se preocupar se isso resultará em algo bom para todos. O sistema cria pessoas superqualificadas que não sabem trabalhar em equipe, que não sabem compartilhar e não pensam na coletividade. E isso é uma desgraça, até para esses próprios indivíduos, pois inevitavelmente perderão muitas boas oportunidades na vida por isso.

Outra raiz desse comportamento é a nossa história de país colonizado, onde a elite econômica e política vivia da exploração do bem público e da escravidão, sem devolver nada em troca a quem estivesse a sua volta. Disso surgiram algumas máximas do lado ruim da cultura brasileira até hoje, como “se é público, não é de ninguém”, “o bom é tirar vantagem sempre, de tudo” e “farinha pouca, meu pirão primeiro”.

Como esperar que alguém que cresça em um ambiente assim consiga compartilhar ideias para construir com outras pessoas algo melhor?

 

Crie sua abundância!

Em um tempo de crise como a que estamos passando, as pessoas tendem a correr ainda mais para as máximas acima. Afinal, se o bolo está pequeno, melhor garantir logo o meu pedaço.

Mas eu tenho observado, já há alguns anos, um poderoso movimento de transformação social: pessoas que dão algo à sociedade ao invés de pedir, ao invés de “correr para garantir o seu”. E não se trata de amostras grátis ou de migalhas de conhecimento. Esses indivíduos oferecem o seu melhor, às vezes de graça, sabendo que esse movimento acabará lhe beneficiando depois.

Um exemplo banal é algo que observo como palestrante e professor: colegas que não compartilham os slides de eventos e de aulas. Não entendo essa visão mesquinha e tacanha. Por acaso ficarão menos inteligentes se fizerem isso? O público poderá virar seu concorrente se tiver acesso ao arquivo? Que coisa ridícula! Dificilmente isso acontecerá e é possível que os slides já foram todos fotografados com os smartphones!

As pessoas precisam entender que, ao compartilhar conhecimento, muito mais que criar concorrentes, você está criando potenciais parceiros! Sentar em cima de uma ideia ou de uma informação não evitará a concorrência pois, como disse acima, se o conteúdo não vier de você, virá de outras fontes (e não demorará).

No final das contas, quem senta em cima da sua ideia pensando “protegê-la” ganha apenas um jeito mais difícil de desenvolvê-la!

Sabe o que é o mais interessante dessa incrível mudança? Mesmo em um ambiente de crise, nós podemos criar abundância! Conhecimento não acaba e não ocupa espaço, assim como generosidade e empatia. Isso não é discursinho barato de autoajuda: é capitalismo! Mas um capitalismo mais consciente, em que os participantes percebem que, contrariando o senso comum com o qual crescemos, é possível ganhar mais dinheiro quando você se dispõe a trabalhar com outras pessoas e a dividir com elas os resultados.

Ainda acha que é conto da Carochinha? Olhe a sua volta! No próprio LinkedIn, existem incontáveis exemplos de sucesso assim. Eu mesmo posso afirmar que minha vida melhorou quando eu comecei a compartilhar o que sei em grande escala.

Portanto, da próxima vez que tiver uma ideia brilhante, ao invés de guardá-la no cofre, conte para as pessoas. Ela se transformará em um produto vencedor mais rapidamente e com custos menores.


Artigos relacionados:


16 de dezembro: Inclusão, qualidade de vida e diversão na Melhor Idade – Conexão Melhor Idade – Workshop (3 horas)


 

Tendências: