Uma piada que já perdeu a graça

Uma piada que já perdeu a graça

A ameaça que Bolsonaro representa não se restringe a um improvável sucesso nas urnas. Bem ao contrário, ela já é uma realidade.

Mario Vitor Rodrigues

01 de outubro de 2017 | 08h34

Foto: André Coelho

 

— Tem que fuzilar os autores dessa exposição! — bradou o deputado federal Jair Bolsonaro no último dia 15, durante a gravação do programa TV Verdade para a emissora filiada ao SBT de Alterosa, em Minas Gerais. — É uma força de expressão, mas tem que fuzilar! —, reforçou logo depois, demonstrando uma clareza de raciocínio de fazer inveja a Dilma Rousseff.

Se a verve histriônica do deputado carioca já não assusta quem acompanha a cena política, tampouco surpreende seu fetiche pelo fuzilamento daqueles que o desagradam. Em 1999, por exemplo, falando para a TV Bandeirantes, não se fez de rogado e declarou que “deveriam ter sido fuzilados uns 30 mil corruptos, a começar pelo presidente Fernando Henrique Cardoso”. E teve mais. Posteriormente, em entrevista concedida a Jô Soares, retrucou a opinião do apresentador de que tal declaração constituía “uma barbaridade” da seguinte forma: “Barbaridade é privatizar a Vale do Rio Doce, é privatizar telecomunicações, é entregar nossas reserva petrolíferas para o capital externo.”

À guisa de momentos em que o prócer do conservadorismo-macunaíma tenha demonstrado menos amargor, vale lembrar outro episódio, igualmente registrado pela grande mídia, no qual ao menos é possível perceber um vestígio de empatia para com o próximo.

Faltavam poucos dias para o Natal em 2002, portanto com Luiz Inácio já eleito, embora ainda não empossado, quando o então deputado pelo PPB do Rio fez uma visita surpresa à Granja do Torto. O motivo? Ele mesmo fez questão de detalhar: “Vim tentar um espacinho na agenda do Lula para desmentir essa história de que o Aldo tem restrições nas Forças Armadas. Pelo contrário, é uma pessoa que entende do assunto e tem grande respeito. 

É isso mesmo, o líder dessa direita ruidosa e despreparada, capaz de usar e abusar das mesmas estratégias comuns à esquerda em nome do protagonismo político, endossava o nome de Aldo Rebelo, histórico comunista, para que este assumisse a pasta da Defesa.

Pensando bem, se levarmos em conta que à época Bolsonaro votou em Ciro Gomes e Lula, respectivamente no primeiro e no segundo turnos, cada um dos episódios supracitados faz ainda mais sentido. Seja como for, não bastasse a inglória missão, o “mito” levou um chá de cadeira e sequer foi recebido.

Dissertar sobre as patetices dessa figura que se apresenta como candidato à presidência não deixa de ser um desafio pela fartura de material, porém, é igualmente cansativo pela mesma razão. E é aí que mora o perigo.

Diga-se, nesse aspecto, a vitória de Donald Trump impôs uma lição preciosa: jamais subestime a capacidade dos populistas em identificar uma parcela frustrada da sociedade para em seguida aproveitar-se desse sentimento.

Todavia, não se trata apenas disso.

A ameaça que Bolsonaro representa não se restringe a um improvável sucesso nas urnas. Bem ao contrário, ela já é uma realidade. Está presente quando ele destila seus preconceitos, ao abusar da imunidade parlamentar para agredir o bom senso e, acima de tudo, pelo embrutecimento moral e intelectual que o seu discurso provoca nos mais jovens.

O momento pede serenidade, sob pena de inflarmos ainda mais a dicotomia entre polos radicais que vivem de surfar nesse embate para amealhar votos.

Mas, não resta dúvida, achar graça desse personagem de quinta categoria já não faz sentido algum.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: