Uma piada que já perdeu a graça

Uma piada que já perdeu a graça

A ameaça que Bolsonaro representa não se restringe a um improvável sucesso nas urnas. Bem ao contrário, ela já é uma realidade.

Mario Vitor Rodrigues

01 Outubro 2017 | 08h34

Foto: André Coelho

 

— Tem que fuzilar os autores dessa exposição! — bradou o deputado federal Jair Bolsonaro no último dia 15, durante a gravação do programa TV Verdade para a emissora filiada ao SBT de Alterosa, em Minas Gerais. — É uma força de expressão, mas tem que fuzilar! —, reforçou logo depois, demonstrando uma clareza de raciocínio de fazer inveja a Dilma Rousseff.

Se a verve histriônica do deputado carioca já não assusta quem acompanha a cena política, tampouco surpreende seu fetiche pelo fuzilamento daqueles que o desagradam. Em 1999, por exemplo, falando para a TV Bandeirantes, não se fez de rogado e declarou que “deveriam ter sido fuzilados uns 30 mil corruptos, a começar pelo presidente Fernando Henrique Cardoso”. E teve mais. Posteriormente, em entrevista concedida a Jô Soares, retrucou a opinião do apresentador de que tal declaração constituía “uma barbaridade” da seguinte forma: “Barbaridade é privatizar a Vale do Rio Doce, é privatizar telecomunicações, é entregar nossas reserva petrolíferas para o capital externo.”

À guisa de momentos em que o prócer do conservadorismo-macunaíma tenha demonstrado menos amargor, vale lembrar outro episódio, igualmente registrado pela grande mídia, no qual ao menos é possível perceber um vestígio de empatia para com o próximo.

Faltavam poucos dias para o Natal em 2002, portanto com Luiz Inácio já eleito, embora ainda não empossado, quando o então deputado pelo PPB do Rio fez uma visita surpresa à Granja do Torto. O motivo? Ele mesmo fez questão de detalhar: “Vim tentar um espacinho na agenda do Lula para desmentir essa história de que o Aldo tem restrições nas Forças Armadas. Pelo contrário, é uma pessoa que entende do assunto e tem grande respeito. 

É isso mesmo, o líder dessa direita ruidosa e despreparada, capaz de usar e abusar das mesmas estratégias comuns à esquerda em nome do protagonismo político, endossava o nome de Aldo Rebelo, histórico comunista, para que este assumisse a pasta da Defesa.

Pensando bem, se levarmos em conta que à época Bolsonaro votou em Ciro Gomes e Lula, respectivamente no primeiro e no segundo turnos, cada um dos episódios supracitados faz ainda mais sentido. Seja como for, não bastasse a inglória missão, o “mito” levou um chá de cadeira e sequer foi recebido.

Dissertar sobre as patetices dessa figura que se apresenta como candidato à presidência não deixa de ser um desafio pela fartura de material, porém, é igualmente cansativo pela mesma razão. E é aí que mora o perigo.

Diga-se, nesse aspecto, a vitória de Donald Trump impôs uma lição preciosa: jamais subestime a capacidade dos populistas em identificar uma parcela frustrada da sociedade para em seguida aproveitar-se desse sentimento.

Todavia, não se trata apenas disso.

A ameaça que Bolsonaro representa não se restringe a um improvável sucesso nas urnas. Bem ao contrário, ela já é uma realidade. Está presente quando ele destila seus preconceitos, ao abusar da imunidade parlamentar para agredir o bom senso e, acima de tudo, pelo embrutecimento moral e intelectual que o seu discurso provoca nos mais jovens.

O momento pede serenidade, sob pena de inflarmos ainda mais a dicotomia entre polos radicais que vivem de surfar nesse embate para amealhar votos.

Mas, não resta dúvida, achar graça desse personagem de quinta categoria já não faz sentido algum.