Cangaceiro Lampião era gay, diz nova biografia

Cangaceiro Lampião era gay, diz nova biografia

Rodrigo Martins

26 Novembro 2011 | 13h49

Um nova biografia de Lampião está causando polêmica antes mesmo de ser lançada. O livro diz que o cangaceiro era gay e que sua mulher, Maria Bonita, era adúltera – a filha do casal, inclusive, seria de outro homem. Os dois foram mortos em 1938 e tiveram suas cabeças expostas em praça pública.

Lampião, o Mata Sete, com lançamento agendado para 1º de dezembro, é de autoria do juiz aposentado Pedro Morais. Segundo o escritor, Lampião e Maria Bonita chegaram, inclusive, a dividir o mesmo namorado. “Não sou eu o primeiro a dizer isso, não. O professor Luiz Mott há mais de 30 anos já dizia isso”, disse ao Correio da Bahia.

A família do cangaceiro não gostou nada da história. E conseguiu na quinta-feira uma liminar na 7ª Vara Cível de Aracaju proibindo o lançamento. A multa é de até R$ 20 mil. O autor promete recorrer.