Cientista diz que maconha pode tratar stress pós-traumático

Cientista diz que maconha pode tratar stress pós-traumático

Claudia Belfort

21 de dezembro de 2009 | 08h52

Testes em camundongos feitos por uma cientista israelense demonstraram que o uso de maconha sintética pode aliviar os sintomas do Transtorno de Stress Pós-Traumático, TSPT. A professora Irit Akirav, do Departamento de Psicologia da Universidade de Haifa, submeteu dois grupos de camundongos a pequenas descargas elétricas e na sequência aplicou em um dos grupos maconha sintética na região do cérebro ligada à memória emocional.

Segundo os pesquisadores, o cérebro dos animais que receberam canabinóides não liberou o hormônio do stress, cujo nível costuma ser elevado em portadores de TSPT. O estudo foi publicado na edição de 16 de dezembro no The Journal of Neuroscience.

Atualização 22/12 – 8h55

A pesquisa da Universidade de Haifa refere-se ao uso de canabióide, nada tem a ver com fumar um baseado para relaxar, prevenir stress, etc. É uma investigação científica sobre os efeitos de uma planta para um distúrbio desencadeado após um trauma. Assim como a papoula dá origem ao ópio de onde vêm a morfina, um poderoso analgésico, e a heroína, uma droga fortíssima; a cannabis, na análise da professora, poderia ser usada como remédio para stress pós-traumático.

Adiciono, assim, ao debate uma questão: a morfina é prescrita com frequência para aliviar dores de pacientes com câncer, seja em comprimidos ou injetável. Sua comercialização é controlada pelo governo e por via intravenosa ela só pode ser aplicada em hospitais. Se no lugar de opiácio o princípio ativo do remédio fosse  cannabis sativa qual seria a diferença?

Flor de papoila: ópio, heroína e morfina

Flor de papoula: ópio, heroína e morfina

Cannabis sativa: maconha e polêmica

Cannabis sativa: maconha e polêmica

Tudo o que sabemos sobre:

pesquisatranstorno psiquiátrico

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.