A insustentável leveza do ser!

Tutty Vasques

14 Outubro 2011 | 06h38

ilustração pojucanO sonho por um mundo melhor pode virar pesadelo entre os acampados no centro financeiro de Manhattan justo no belo dia em que os ricos tomarem consciência de sua ganância, motivo pelo qual estariam, cada um com seu sleeping bag Luis Vuitton, aderindo ao movimento ‘Ocupem Wall Street’ no gramado da Liberty Square.

Não vai acontecer, mas imagine – sonhar não custa nada! – se, amanhã, o ser humano decidir por unanimidade, de comum acordo uns com os outros, que está mesmo tudo errado no modus operandi da civilização moderna. Parem as máquinas!

Quando, enfim, os próprios mortos-vivos corporativos desligarem a roda da fortuna responsável por tudo-isso-que-aí-está, começará, então, o grande pesadelo da humanidade em busca de respostas a perguntas básicas sobre a nova era.

Por exemplo: alguém aí, por acaso, tem noção de como fazer a coisa certa para essa joça funcionar direito?

Curto e grosso, que droga de mundo é esse que a turma da praça sonha fazer? – eis a questão que o pessoal devia discutir no velório do capitalismo voraz. Precisa dar vida a alguma outra coisa para enterrar o falecido.