A rede social das figurinhas

Tutty Vasques

22 de abril de 2014 | 06h43

reproduçãoDe todas essas coisas de papel que a gente ainda compra em bancas de jornal, os pacotinhos de figurinhas devem ser a última das mídias impressas a resistir ao avanço da internet. Já até existe um álbum virtual da Copa no site da Fifa, mas nada se compara à experiência tátil de bater um bafo no chão da escola.

A rede social das figurinhas autoadesivas é forte concorrente do Facebook no entretenimento juvenil. Relançado no início do mês com tiragem superior a 8 milhões de exemplares e expectativa de recorde de vendas, o álbum da Copa promete ser de novo um fenômeno de interatividade capaz de fazer a garotada dividir seu tempo livre entre o computador e o jornaleiro da esquina.

Nada mais agregador da família: daqui a 30 anos, como qualquer vovô de hoje em dia, todo menino que vive agora sua primeira Copa do Mundo vai se lembrar das noites felizes em que o pai chegou em casa do trabalho com os bolsos cheios de pacotinhos. O senhor também se lembra disso?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: