A última do Cid

Tutty Vasques

18 Fevereiro 2013 | 21h45

ilustração pojucanA concorrência é grande! Para um governador de estado se manter em destaque hoje em dia no noticiário nacional precisa ser, antes de tudo, um trapalhão de marca maior.

Dos que estão no exercício do segundo mandato, Sérgio Cabral até chegou a ensaiar um bom repertório de bobagens em série, culminando com aquela farra que patrocinou para um empreiteiro amigo em Paris, mas nada se compara à vocação de Cid Gomes para lambança.

O que mais falta acontecer na gestão dele? – pergunta-se desde domingo no Ceará, depois que desabou em Sobral a fachada do hospital que leva o nome do avô do governador, inaugurado precariamente há um mês com show milionário de Ivete Sangalo.

Cid está construindo na mídia um currículo de fazer inveja até ao irmão Ciro: já levou a sogra para passear de jatinho na Europa, pagou R$ 3 milhões para Plácido Domingo cantar na inauguração do Centro de Eventos de Fortaleza, atravessou a pé a pista do aeroporto de internacional de Salvador, contratou bandas de forró sem licitação e – pouca gente sabe disso – sancionou lei instituindo o ‘Dia Estadual de Lavar as Mãos’.

A família Gomes deve estar orgulhosa, né não?