A última do Obama

Tutty Vasques

30 de novembro de 2008 | 07h29

Estão falando alto pelos botecos dos EUA que o humor está com os dias contados.

A brincadeira, dizem os apóstolos de Barack Obama, vai acabar junto com o mandato de George Bush.

Depois dele, não haveria mais espaço para ironia, sátira, sarcasmo, deboche, graça nenhuma.

Sim, eles acreditam que a esperança é incompatível com o riso, a blague, o chiste, a palhaçada, a troça, a gozação…

Como se o humor fosse uma espécie de muleta para tempos aborrecidos. Tomara que venha daí a grande frustração da era Obama.

A América pode até estar se livrando das dez primeiras colocações no ranking de classificação dos países de piada pronta, mas se perder a capacidade de rir de si mesmo, aí todo mundo vai um dia sentir saudades do governo Bush.

Tendências: