A UPP do professor

Tutty Vasques

02 de abril de 2010 | 09h20

A julgar pela estratégia da PM na última manifestação de funcionários públicos no entorno do Masp, a Secretaria de Segurança Pública de SP lançou, sem alardes, uma versão Av. Paulista disso que no Rio todo mundo enche a boca pra chamar de Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

Alguma coisa precisava mesmo ser feita para evitar a escalada dos conflitos de rua, especialmente no trato com professores em dia de fúria sindical.

Os PhDs em Protesto do movimento devem estar até agora intrigados com a falta de combatividade dos policiais que na quarta-feira ocuparam a região, alheios às provocações dos mestres de cerimônia da manifestação.

Teve PM que, no limiar do confronto, pegou sua moto e foi cuidar do trânsito na outra ponta da confusão, assoviando Imagine, do John Lennon!

Ainda que nada tenha sido bem assim – ou tampouco isso seja fruto de planejamento oficial -, a ideia de uma “polícia pacificadora” na Paulista poderia ser o primeiro facho de luz própria no governo Alberto Goldmann que se inaugura.

Até porque esse negócio de bater em professor, convenhamos, já basta o que os alunos fazem ultimamente com eles em salas de aula!