A urucubaca do DEM

Tutty Vasques

23 de fevereiro de 2010 | 10h33

Já está faltando fitinha do Senhor do Bonfim em Salvador. Parece que o ACM Neto mandou comprar todas que restaram do carnaval assim que a notícia da cassação de Gilberto Kassab – ora sob efeito suspensivo na Justiça Eleitoral – circulou na Bahia. Nada nem de longe tão grave quanto os acontecimentos que vitimaram José Roberto Arruda no Distrito Federal, mas dois raios no mesmo partido desse jeito, francamente, se fosse no PT o Lula diria que é uma urucubaca daquelas.

 Pelo sim, pelo não, César Maia está desde domingo dividido entre a produção de textos para seu blog e as orações ao Menininho Jesus de Praga, de quem é devoto fervoroso. Sabe Deus a quem Ronaldo Caiado recorre quando a ziquizira aperta. Nos meios ruralistas cresce a desconfiança de que, se não enterraram uma caveira de burro no DEM, colocaram o nome do partido na boca do sapo. Seja como for, a bancada evangélica pode assumir o controle da situação. O próprio José Agripino Maia, que começou a vida pública como coroinha, não descarta a saída do exorcismo.

Tendências: