Advogado de porta de armário

Tutty Vasques

10 Julho 2012 | 00h03

reproduçãoEm defesa do goleiro Bruno, ainda que ele não mereça, deve-se dizer que o ex-atleta do Flamengo não dá sorte com advogados – ô, raça! Tanto é que já trocou cinco vezes de defensor depois que o primeiro contratado confessou ser viciado em crack – lembra da figura?

O atual, Rui Pimenta, voltou a surpreender quem acompanha o caso pela imprensa contando dia desses a jornalistas que seu cliente é gay! Teria um caso de amor com o famigerado Macarrão, daí a sugestão ao comparsa para “resolvermos isso usando o plano B” em carta agora publicada pela ‘Veja’.

O trecho que a revista interpretou como um pedido para o amigo assumir sozinho a culpa pelo misterioso assassinato de Eliza Samudio seria, na verdade, um desejo secreto do goleiro para por fim à relação homoafetiva. Huuummm!!!

O advogado identificou “um claro caso de amor” entre os dois assim que pôs os olhos na frase ‘Bruno e Maka, a amizade nem mesmo a força do tempo irá destruir, amor verdadeiro (sic)’ tatuada nas costas de Macarrão.

Enfim, sair da cadeia pela porta do armário pode ser uma estratégia de defesa nova em direito criminal, mas algo me diz que mais uma vez Bruno deu azar na escolha de seu advogado.