Black Bloc Metal

Tutty Vasques

24 Setembro 2013 | 06h59

reproduçãoNão é uma escolha fácil, mas tem pai por aí que preferia saber que o filho adolescente passou a madrugada de domingo quebrando vidraça de banco em protestos de rua a tê-lo visto pela TV numa daquelas rodas punk da noite de encerramento do Rock in Rio!

Não há nada de ideológico nesta opção paternal! Acontece que, para quem observa de fora, a atividade ‘black bloc’ parece bem menos perigosa que o rito de pancadaria generalizada na plateia heavy metal embalada por canções sugestivas como ‘Genocídio Espiritual”, da trash banda alemã Destruction.

Por mais que o garotão explique ao voltar pra casa são e salvo que a coreografia da agressão mútua tem regras que limitam a violência na roda aberta para o conflito, pai é pai, fica logo imaginando seu filho ali caído, sendo pisoteado pela massa, sem nenhum PM para protege-lo – ainda que seja com voz de prisão – daquele bando de cabeludos desembestados correndo em círculos.

Enfim, tem pai que preferia ser cego!