Brasileiros de primeira viagem

Tutty Vasques

11 de junho de 2011 | 06h19

ilustração pojucanA nova classe média brasileira já começa a sentir saudades da pobreza. Recém-chegada aos prazeres da vida, a turma que ascendeu economicamente nos últimos anos se depara com problemas antes inimagináveis. Fim de semana em aeroporto por causa das cinzas de um vulcão no Chile, por exemplo, é uma experiência que quem já dormiu em área de risco em noite de chuva forte não esperava mais passar por nada parecido.

Viajar não é mole, como sonham os mais duros! Se for pra fora do País, a espera pelo passaporte é o de menos para alguém acostumado a filas pra tudo. Mas, antes de cruzar a linha que separa a pindaíba da sala de embarque, é preciso se informar para não entrar em roubada.

Tá sabendo do surto de sarampo que já derrubou 5 mil pessoas só na França, né? Tem que tomar vacina 15 dias antes da viagem, além de, vez em quando, telefonar pro aeroporto pra saber se a nuvem de cinzas já chegou a Guarulhos.

Outra coisa: fuja dos brotos de feijão na Alemanha e, por via das dúvidas, dos pepinos espanhóis e nabos holandeses. Ouviu falar na bactéria E.coli? Não? Não prefere conhecer Peruíbe ou Araruama?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.