Cadeia alimentar para o povo!

Tutty Vasques

15 Maio 2013 | 00h05

reproduçãoSe, para resolver o problema da fome no mundo, o ser humano se transformar no predador de insetos que a FAO recomenda que ele seja, será que não vai faltar alimento na mesa dos sapos?

A agência de combate à desnutrição da ONU deve ter levado tudo isso em conta antes de estimular em relatório uma dieta global rica em proteína à base de gafanhotos, grilos, vespas, formigas, abelhas…

Imagina que desagradável num belo domingo a gente começar a disputar o almoço com as lagartixas de casa e o iguana do filho do vizinho!

Outra coisa: será que, no futuro – quando, enfim, os insetos substituírem o atum e o salmão nos restaurantes japoneses de todo o mundo –, o problema da fome das aranhas não trará outro tipo de preocupação à ONU.

Aqui no Brasil, não demora, o quilo do besouro na feira vai estar mais caro que o do tomate.

Pode parecer bobagem, mas, se é para refletir sobre o noticiário, convenhamos, melhor pensar nisso que na tramitação da MP dos Portos no Congresso, né não?