Candidatos de voz fina!

Tutty Vasques

17 de abril de 2014 | 00h04

ilustração pojucanAnderson Silva reclama de bullying na infância à revista ‘Trip’ que chegou às bancas, mas, no caso do lutador, a voz fina tinha o agravante do balé que ele praticava antes das artes marciais. Muito mais pelo preconceito com as sapatilhas, amigos o chamavam de ‘mocinha’!

Falar fino no Brasil não faz de ninguém alvo automático desse tipo de comportamento perverso, o risco é zero em quem não precisa abrir a boca para vencer. O Emerson Fittipaldi, com aquela vozinha ridícula, foi longe! O próprio ‘The Spider’, depois de chutar a cara de uns e outros, acabou faturando com o timbre desproporcional à sua força física em comercial de TV.

Só a propaganda política não sabe ainda como explorar esta particularidade fonética de certos candidatos. Marina Silva teria sido derrotada em 2010 pelos próprios agudos nos debates de presidenciáveis. Eis o grande desafio do marqueteiro do PSOL para fazer do senador Randolfe Rodrigues sucessor da Dilma. O nome, cá pra nós, também não ajuda!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: