Carla Bruni, a louca

Carla Bruni, a louca

Tutty Vasques

08 de junho de 2008 | 10h30

ilustração pojucan
Nicolas Sarkozy e sua linda Carla Bruni cruzaram-se esta semana na ante-sala do Ambulatório da Notícia. Ela entrando elegantemente vestida numa camisa-de-força prêt-à-porter Prada, ele saindo todo pimpão com seus “cinco ou seis cérebros admiravelmente irrigados”, conforme descrição que a primeira-dama faz de seu marido, o presidente da França, no livro ‘Carla et Nicolas, La Veritable Histoire’ (‘Carla e Nicolas, A História Verdadeira’, em tradução literal), escrito com a ajuda de dois jornalistas franceses. Que diabos teria acontecido com a adorável cantora, aquele colosso de ex-top model, para descer do pedestal de discrição que ocupava no Champs Élysses enaltecendo desse jeito um troço que desafia o bom senso até da Luciana Gimenez?

A vantagem de ter cinco ou seis cérebros deve ser a mesma de ter quatro umbigos, cinco pés, nove cotovelos, 47 dedos, sete joelhos, 12 joanetes, sete verrugas ou meia dúzia de sovacos. E já que citei a Luciana, que fique aqui também registrado em sua defesa o seguinte: ela nunca falou em público da parte “admiravelmente irrigada” de Mick Jagger. Os fãs de Carla Bruni têm uma explicação para o que está acontecendo: ela enlouqueceu, só pode estar maluca, não fala mais coisa com coisa. Dizer que Sarkozy é um cara “ponderado, divertido e calmo”, peralá, que outro presidente usa expressões como “sai pra lá, imbecil” no corpo-corpo de rua com eleitor, ainda mais aposentado. Carla, não resta dúvida, pirou.

(Clique aqui para ler a íntegra do texto publicado no caderno Aliás do ‘Estado’)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: