Chova ou faça Sol…

Tutty Vasques

22 de fevereiro de 2011 | 06h05

Os bairristas – ô, raça! – estão confusos! Os cariocas não acreditam que chova todo dia em São Paulo e os paulistanos duvidam que no Rio não chova nunca. Pior que é isso mesmo, mas vai botar na cabeça de um sujeito teimoso que tudo que ele mais quer no momento tem de sobra justo na casa daquele vizinho com quem mais implica!

O cara quando é cabeça-dura acha que o outro se queixando da rotina de chuvas é pura provocação com alguém como ele, que não sabe o que é isso há quase um mês de Sol inclemente. E, vice-versa, soa afronta aos ouvidos do sujeito ilhado num ponto de alagamento a torcida do pessoal na praia para que chova três dias sem parar.

Enfim, o desequilíbrio climático deu um nó tático no bairrismo. Dizem, inclusive, que tem carioca empedernido pegando a ponte aérea às escondidas para tomar chuva nos Jardins. No sentido inverso, paulistanos fanáticos estariam desembarcando sorrateiramente em Ipanema só para aplaudir o pôr-do-sol sem um pingo de chuva.
Pensando bem, desejar o que transforma a vida do outro num inferno não deixa de ser uma forma de bairrismo, né?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.