Comprometimento até no sexo!

Tutty Vasques

29 de maio de 2010 | 09h27

reprodução

reprodução

Kaká era um dos mais chateados com Dunga anteontem em Johannesburgo. Precisava dizer, ainda mais em entrevista coletiva, que no grupo “tem gente que não gosta de sexo”, caramba?

O clima tenso só se desfez quando o técnico deu aquela explicação que lhe serve pra tudo: estava se referindo ao sexo sem comprometimento. O amor à pátria continua comendo solto na Seleção, com uma condição preliminar: tem que vestir a camisinha verde-amarela, claro.

É muito fácil entender o Dunga! Sexo, no caso, foi só mais uma metáfora infeliz. Ele quis dizer que tem gente que não gosta de nada, e ninguém tem nada a ver com isso!

Não tem o sujeito que não gosta de samba? Pois então! Tem criança que não liga pra brincadeira, gordo que não dá a mínima pra chocolate, celebridade que não faz questão de aparecer, motorista de táxi que detesta dirigir, mãe adotiva que odeia criança…

Tem técnico que não tolera craque, tem jornalista que não atura técnico e, em ambos os casos, vice-versa. Quando não há comprometimento, que vigore a tolerância! Se o cantor Roberto Carlos acha que sexo e sorvete são as melhores coisas da vida, problema dele! Entendeu agora o que o Dunga quis dizer ao Maradona? Demorou, meu!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: