Crônica de uma separação

Crônica de uma separação

Tutty Vasques

16 de março de 2010 | 09h33

arquivo AP

arquivo AP

O simples fato de ter ido às urnas de mãos dadas com Nicolas Sarkozy não quer dizer nada. Carla Bruni pode muito bem ter votado na esquerda, a quem sempre foi simpática, sem que isso signifique, necessariamente, que a primeira-dama esteja traindo o marido de centro-direita. Os franceses é que só pensam nisso! E, pelo que se ouvia na boca de urna das eleições regionais de domingo, nove entre dez parisienses apostam que o casamento do presidente  vai acabar antes de seu governo.

A imprensa britânica também está certa da separação iminente. Na última sexta-feira, bastou Sarkozy dar um pulinho a Londres sem a patroa para os jornais circularem com três versões motivadoras de um hipotético divórcio:

1)     Ele a trai;

2)     Ela o trai;

3)     Eles se traem.

Ela mais que ele, a julgar pelo vestido sem sutiã que virou notícia na semana passada, em meio a rumores de um caso com o cantor Benjamin Biolay. Todos negam, mas ninguém lhes dá ouvido. Ainda bem que aqui no Brasil a imprensa é mais respeitosa com a privacidade da primeira-dama. Se bem que – pelo sim, pelo não – Lula levou a dele para o Oriente Médio no domingo.

Participe de enquete a respeito do DataTutty na margem direita desta página.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: