Curvem-se à nossa insignificância!

Tutty Vasques

06 Setembro 2013 | 00h01

ilustração pojucanA presidente Dilma deu nesta quinta-feira uma freada nos preparativos de sua visita de Estado aos EUA em outubro, mas continua com uma dúvida cruel quanto à viagem: não sabe se a cancela logo de uma vez ou deixa para na hora dar um bolo no Obama.

Não tem, como se sabe, homem no Itamaraty para dizer à “chefa” que, seja como for, sua ausência não será mais ou menos sentida pelo colega americano. “Pior se ela cisma de vir!” – entreouviu-se dia desses nas imediações do Salão Oval.

Que ninguém do governo lendo isso aqui se insulte com o que à primeira vista pode parecer mais uma demonstração da prepotência típica de Washington.

Há que se dar um desconto no atual descaso da Casa Branca com a nossa tromba de ofendido: os caras estão metendo o planeta numa nova guerra, e a gente aqui achando que pior de tudo foi eles terem passado a mão da nossa soberania espionando a Dilma.

Com o circo do fim do mundo pegando fogo, francamente, não é hora de acertar contas com os responsáveis por aquela palhaçada.