Dançando na neve

Tutty Vasques

28 de junho de 2011 | 06h12

reproduçãoSete em cada 10 eventos do calendário oficial do fim do mundo estão ligados ao noticiário dos chamados fenômenos naturais. Quando não chove acima do previsto nem cai a temperatura abaixo do suportável, a terra treme, o mar avança, o rio sobe, o granizo assusta, o vento devasta… A má notícia, como se sabe, está no ar!

O brasileiro que se programou para passar férias de julho em Bariloche vê, de repente, seu passeio à Argentina ameaçado pelas cinzas de um vulcão chileno. O meio ambiente virou uma caixinha de surpresas.

O frio nas regiões serranas do Sul do Brasil talvez seja a única intempérie que ainda não passou dos limites. Pelo contrário, se nevar no próximo fim de semana em Gramado e São Joaquim mais que o esperado para todo inverno no País, vai ser uma festa por lá.

No domingo passado, uma multidão saiu às ruas no meio da noite gélida para celebrar o fenômeno natural dos primeiros flocos brancos caídos do céu. A ideia é essa: quanto pior o clima lá fora, melhor! Perfeito para quem cansou de torcer por tempo bom nas férias: que venham as nevascas!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: