Dupla desfeita

Tutty Vasques

15 de maio de 2011 | 06h13

shdhdNão será fácil para Gilberto Kassab encontrar um substituto à altura de Marco Maciel para o conselho da Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo. Pode até achar alguém que conheça menos a cidade e entenda tão pouco de trânsito quanto o ex-vice presidente, mas outro com aquele physique du rôle para com o chefe reeditar a dupla O Gordo e o Magro (Laurel and Hardy) do cinema mudo, francamente, o prefeito vai ter que rebolar para conseguir igual. Na quinta-feira, indiferente às piadas que já protagonizava no anedotário político vigente, Maciel recusou em caráter irrevogável o convite de Kassab para ganhar a grana mais mole de sua vida.

Não o fez com medo de cair no ridículo, muito menos em respeito ao paulistano ou aos graves problemas de trânsito que a cidade enfrenta. Em nenhum momento pesou na decisão seu despreparo técnico para o cargo ou qualquer pudor com o pró-labore de R$ 12 mil a que teria direito para participar de duas reuniões mensais, aí incluído um bico no conselho da SPTuris. O fato de morar em Recife também não o constrangeu!

Marco Maciel recusou a parceria por causa do desconforto que o noticiário a propósito gerou no DEM. À certa altura da crise de ciúmes, José Agripino abriu o jogo: “Ou eu ou o Kassab!” Ficar na presidência do Conselho Político de seu antigo partido foi uma opção lógica para um conservador de carteirinha. O ex-vice presidente que toda mãe de presidente sonha para seu filho optou pelo esquecimento a que está condenado no DEM.

Preserva-se assim um currículo político raro em matéria de coerência e retidão, mas, cá pra nós, já que a dupla com Kassab foi desfeita tão-somente por conta da fidelidade partidária do personagem, porque diabos criaram o maior caso com os humoristas que o Tiririca queria empregar em seu gabinete?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: