Duro golpe na família

Duro golpe na família

Tutty Vasques

23 de agosto de 2008 | 12h01

ilustração pojucan

“Troca-se mãe em bom estado de conservação por dois sobrinhos e uma nora ou qualquer outro parente de terceiro grau em número máximo de quatro. Cargos de confiança. Tratar no plenário do Senado.”

Justamente para impedir a prática desse tipo de negócio nos (des)classificados do Congresso, o STF incluiu a chamada “nomeação cruzada” na súmula que proíbe o nepotismo nos 3 Poderes da República. Isso quer dizer o seguinte: genro, até o dos outros, agora é parente em Brasília.

Para burlar a lei, só mesmo se o político mantiver a família na clandestinidade desde a sua estréia na propaganda eleitoral gratuita: “Solteiro, filho único, sem pai nem mãe, peço seu voto!”

Quem depois duvidar de algum assessor com o mesmo tique nervoso ou ligeiro estrabismo peculiar poderá pedir exame de DNA ao Conselho de Ética da casa.

Texto publicado originalmente neste sábado no caderno Metrópole do ‘Estado’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: