É por aí!

Tutty Vasques

16 Abril 2011 | 08h27

Em menos de duas semanas, a polícia do Rio rastreou a origem dos dois revólveres utilizados no massacre da escola de Realengo, e prendeu quem os vendeu ao assassino das crianças.

Se fosse sempre tão eficiente, o comércio de armas não necessitaria de plebiscito para ser inibido.