Eles não pulam o balcão!

Tutty Vasques

20 de abril de 2010 | 09h28

ilustração pojucan

ilustração pojucan

Apesar dos aeroportos abarrotados de gente que não tem pra onde ir e da falta de informação generalizada sobre o destino de cada um – aspectos comuns ao caos aéreo em qualquer lugar do mundo -, existe uma diferença básica no cenário do drama em curso na Europa, se comparado aos transtornos do gênero que estamos acostumados a assistir no Brasil: lá ninguém pula o balcão pra bater em funcionário de companhia aérea.

Pelo menos até agora não pintou no noticiário sobre o fechamento do espaço aéreo no Velho Continente a figura do turista indignado, marca registrada do caos aéreo em solo brasileiro. Melhor assim! É sempre meio esquisito alguém enfurecido em trajes de férias. No verão, então, fica ridículo! Tem coisa mais patética que um senhor de bermudas, óculos escuros e top-sider enfurecido com a mocinha do check-in?

Talvez por causa das guerras que ensinam a superar longas dificuldades coletivas, os europeus aguardam pacientemente que a nuvem negra – seja ela qual for – passe logo. Relaxam e gozam por instinto, não precisam ouvir as bobagens que toda autoridade diz nessas horas em que ninguém sabe exatamente que diabos está acontecendo lá fora.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.