Fala, Cacilda!

Tutty Vasques

25 Novembro 2011 | 14h27

ilustração pojucanA propósito do post ‘Deixa, Cacilda!’ (24/11), dona Cacilda comenta:
“Assustei-me hoje ao ver de novo meu nome em seu texto, aliás, em letras garrafais! Não só nome e sobrenome, mas dados pessoais que lhe enviei nos idos de 6 de abril de 2010.Fiquei lisonjeada por ter mantido meu e-mail tanto tempo guardado, e a palavra já dissera adeus. Quanto a ela, eu a libero para você, uma vez, uma vez só, está bem?

A respeito da dita cuja, vale informar-lhe que ela é uma personagem do livro ” Dom Quixote de la Mancha” de Miguel de Cervantes. Era uma suspirosa amada do Cavaleiro do Bosque, e que por ser de Andaluzia, ele resolveu chamá-la de Cacildéia de Vandália.

Ao perguntar à minha mãe, leitora voraz em tempos passados, porque me dera tal nome espanhol, já que éramos quatrocentões, ela me respondeu que adveio deste maravilhoso livro. Ainda bem que não foi Cacildéia ou Dulcinéia, não é mesmo?

Aliás, tal nome está tambem atualizadíssimo, haja visto que uma das personagens do filme ” A pele que habito”, do grande Almodóvar é “Cacilda”. Fiquei gratificada e enlevada ao assistir tal película e ouvir meu nome “hablado” pelo maravilhoso Antonio Banderas e colocado na legenda de forma correta. GLÓRIA TOTAL !!!

UM GRANDE ABRAÇO, CACILDA”