Felicidade irrevogável

Tutty Vasques

28 de maio de 2011 | 06h32

Quem agasgfoi o engraçadinho que botou na mesa do Aloizio Mercadante o projeto do ‘iPad Jabuticaba, o tablet que só tem no Brasil’? Até se dar conta da brincadeira, o ministro de Ciência e Tecnologia passou dois dias eufórico com a ideia. Já planejava levar o assunto à presidente Dilma quando uma alma caridosa de seu gabinete o alertou por e-mail, a tempo de cancelar a reunião pré-agendada com a chefe para a semana que vem.

Mas, afora essas pegadinhas eventuais do pessoal da área técnica do Ministério, Mercadante está encantado com suas atribuições no governo. Também, pudera! Em meio à troca de tiros intermitente entre o Congresso e o Palácio do Planalto, a imprensa só o procura querendo saber de tablets, banda larga, inclusão digital, elaboração de conteúdo, desenvolvimento de pesquisas, transferência de tecnologia…

Há cinco meses no cargo de médio prestígio no primeiro escalão, Aloizio Mercadante não toparia, hoje, trocar de funções com Antonio Palocci (Casa Civil), Fernando Haddad (Educação), José Eduardo Cardozo (Justiça) ou Ana de Hollanda (Cultura). Nem que a vaca tussa ou que o Lula lhe peça para revogar o irrevogável.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: