Ferrado e bem pago!

Tutty Vasques

21 Fevereiro 2013 | 02h36

ilustração pojucanCom o fim da chamada “miséria visível” anunciado com toda pompa pela presidente Dilma, o que deve fazer o cidadão cumpridor de seus deveres se topar com alguém em flagrante penúria? Pode até fechar os olhos para não ver, embora o mais correto seja chamar a polícia?

O sujeito antes considerado paupérrimo que receber uma grana a mais do governo para deixar de ser extremamente pobre estará, a rigor, cometendo crime de desvio de dinheiro público se continuar indigente por aí.

Vai ter que explicar direitinho o que fez com os R$ 70 debitados mensalmente no erário em nome de cada brasileiro visivelmente caído do trem.

Onde já se viu ferrado e bem pago, caramba!

Mais cedo ou mais tarde, programas do gênero Bolsa Família vão precipitar a criminalização da miséria no País.

Quem paga impostos para que ninguém sobreviva em estado de carência absoluta tem todo direito de cobrar providências contra a desgraça exposta em seu caminho.

A não ser que o dinheiro não esteja chegando onde devia, mas aí o governo vai ter que começar a combater um outro tipo de miserável! A pobreza de espírito público no Brasil é, como se sabe, um caso sério!