Fogos amigos

Tutty Vasques

21 Outubro 2011 | 06h04

reproduçãoCom a captura de Muamar Kadafi na Líbia, a prática do tiro pro alto festivo no país bateu nas últimas 24 horas o recorde nacional de balas perdidas, anteriormente registrado durante as comemorações que se seguiram à tomada de Trípoli.

Em plena crise do euro, francamente, a Otan devia fornecer aos rebeldes, além de armas, fogos de artifício para estas ocasiões de regozijo militar. O preço da munição está pela hora da morte!

Não bastasse o fator econômico, tiro pro alto de alegre, cá pra nós, é coisa de doido! Em sã consciência – o que é raro! –, nem os traficantes do Rio desenham o céu da cidade com suas balas traçantes de felicidade. Em vez dos AK-47 disponíveis para abrir fogo na laje, a rapaziada solta fogos para saudar a chegada de drogas no morro.

Em matéria de sons assustadores, tem um morteiro de 12 x 1 tiros, o preferido das bocas-de-fumo, que não deixa nada a desejar a uma boa rajada de metralhadora antiaérea.

Não tem coisa melhor para rebelde querendo extravasar seus feitos. Ou essa brincadeira de tiro pro alto ainda vai acabar começando outra guerra na Líbia.

Depois não digam que não avisei!