Gafes olímpicas

Tutty Vasques

24 de julho de 2012 | 06h42

ilustração pojucanSomos, basicamente, um país de 200 milhões de técnicos de futebol, mas durante uns 15 dias a cada quatro anos todo brasileiro se julga, modéstia à parte, entendido em tudo que é esporte olímpico.

Os Jogos de Londres não fugirão à regra: a partir de sexta-feira, estaremos todos dizendo barbaridades com a maior convicção sobre badminton, luta greco-romana, nado sincronizado, taekwondo, marcha, esgrima, hóquei, handebol e o escambau.

Está aberta a temporada de gafes olímpicas! Vale arriscar comentários de orelhada sobre a confecção das varas de salto, a dieta dos velocistas, o collant dos nadadores, a estratégia dos ciclistas, o peso ideal das duplas de iatistas, os movimentos contínuos circulares sobre o cavalo com alças…

Você pode até não lembrar muito bem da diferença entre as classes Star e Slalom, mas todo mundo sabe mais ou menos o que é um ippon, um duplo twist carpado, uma falsa largada, um sprint ou uma pista zerada.

Qualquer dúvida a respeito, relaxa, vai! O Galvão Bueno vai pagar muito mais mico que você comentando os Jogos para o Sportv. Os dois esportes preferidos pelo narrador da Globo no momento – a F1 e o MMA – nem olímpicos são!