Genoma da grana

Tutty Vasques

12 de março de 2010 | 09h28

ilustração pojucan

ilustração pojucan

Embora não haja nenhum estudo científico conclusivo a respeito, crescem a olhos vistos na raça humana as evidências de que ganhar dinheiro é fator determinado no DNA de cada pessoa, ou seja, enriquecer está no sangue. Se todo mundo soubesse exatamente de suas limitações genéticas na busca do ouro, as frustrações do ser humano cairiam pela metade – daí a importância de maiores investimentos em pesquisas nesse sentido.

Mas, enquanto a Ciência não decifra os cromossomas da história da riqueza do homem, a melhor maneira de cada um saber se tem essa herança é perguntar a si mesmo se gostaria de ser igualzinho ao Eike Batista, que dia desses entrou para o clube dos 10 homens mais endinheirados do mundo. Caso positivo – se você se sentir bem com tudo que é dele, do saldo bancário ao salto carrapeta -, são boas as suas chances de chegar lá. Vai fundo, rapaz!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: