Há malas que vêm de trem!

Tutty Vasques

24 de setembro de 2010 | 06h40

dfgO Metrô de São Paulo consegue botar quase 10 pessoas num mesmo metro quadrado. Provou que cabem nesse espaço do trem 9,8 passageiros, na verdade nove mais um que sempre perde a cabeça no caminho. Sabe lá o que é para um indeciso, por exemplo, viajar com cinco eleitores da Dilma e três do Serra respirando no mesmo quadrado?! O risco de se expor a tiroteio eleitoral é tão preocupante, no caso, quanto a claustrofobia natural da situação.

         O povo discutindo política nos trens não fica nada a desejar ao bate-boca de candidatos na TV. O que torna o horário de pico da Linha 3-Vermelha mais desagradável que o Horário Eleitoral Gratuito é, sem dúvida, o bafo. Tem horas que, de olhos fechados, dá para se imaginar numa daquelas festinhas que o goleiro Bruno promovia em seu sítio. Ou, então, num debate de presidenciáveis no banheirinho de empregada da casa do Eymael, o democrata cristão.

         O corpo-a-corpo rola solto nos vagões, mas isso não é novidade no Brasil, muito menos privilégio do Metrô de São Paulo. O que piorou em todo o País nos últimos meses foi a qualidade da conversa. Não sei se serve de consolo aos senhores passageiros, mas vai passar. Daqui a pouco eles tomam posse e a gente muda de assunto!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: