‘Hoje é dia de Cristiano Ronaldo, bebê!’

Tutty Vasques

27 Junho 2012 | 05h45

reproduçãoPoucas pessoas são tão honestas com seus sentimentos quanto Cristiano Ronaldo naquela sua vaidade desmedida. Expoente de uma geração de craques dissimulados, o ídolo português não esconde de ninguém que seu prazer no futebol é jogar para o telão. O cara se adora, fazer o quê?

Não é dos piores defeitos do ser humano! Longe disso, o narcisismo em questão virou combustível do futebol egocêntrico de CR7.

Se ele não comer a bola, o que sobra em campo é um cara ridículo para uns, asqueroso para outros, alguém que só é unanimidade nas críticas generalizadas ao exagero de gel no penteado.

Não que o gajo fique menos ridículo, asqueroso ou melado quando resolve ser genial e decide a parada sozinho, mas aí o Messi também tem o direito de ser o que ele quiser, inclusive aquele sujeito sem nenhuma coloração pessoal, inteiramente sem sal dentro e fora das quatro linhas.

O argentino – até isso ele pode ser – é, sem más comparações, o melhor do mundo, mas em dia de decisão da Eurocopa, o 10 do Barcelona não tem a menor importância. Como diria Christiane Torloni, “hoje é dia de Cristiano Ronaldo, bebê”!

Com todo respeito ao Paulinho, ao Danilo, ao Sheik…!