Hoje o céu está tão lindo

Tutty Vasques

02 de agosto de 2008 | 01h30

“Cai chuva!” E não há paulistano que não assine embaixo a celebração de Tim Maia ao “mau tempo” que ontem se previa intenso como aquele verso de Renato Russo: “A tempestade que chega é da cor dos seus olhos castanhos.” Dia bom para ouvir a chuva em casa. “Chuva de prata que cai sem parar, quase me mata de tanto esperar.”

Ou largue a Gal cantando sozinha para girar no bloco de Jorge Benjor: “Lá fora está chovendo, mas assim mesmo eu vou correndo só pra ver o meu amor (…) toda molhada e despenteada, que maravilha.” Aproveite! Afinal, como dizia Gilberto Gil, “faz muito tempo que eu não tomo chuva, faz muito tempo que não sei o que é pegar um toró”.

Hoje promete ser um daqueles dias de chuva, suor e cerveja, que Caetano compôs em tempos de estio: “Acho que a chuva ajuda a gente se ver.” O sol, no caso, seria um balde de água fria no fim de semana. Ninguém merece!

Texto publicado originalmente neste sábado no caderno Metrópole, do ‘Estado’

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.