Imagine a dor de dente!

Tutty Vasques

20 Outubro 2011 | 06h44

REPRODUÇÃOSabe Deus que diabos John Lennon andava tomando pra dor no auge dos anos 1960 quando arrancou aquele dente sem dizer um “ai”. Era, segundo diagnóstico do site ‘Dicas Odonto’, “um terceiro molar superior extraído deliberadamente em consequência de cárie profunda com envolvimento do canal”. Sentiu o drama?

Deve ter tomado algo muito, muito forte no quarto para caminhar descalço até a cozinha de sua mansão em Surrey, na Inglaterra, com aquele troço babado enrolado num guardanapo. Queria ajuda da governanta Dot Jarlett para “jogar isso fora”.

Se sentisse a dor que a circunstância presume, não teria baixado a seguir uma contraordem gentil para agradar à filha da empregada: “Dá pra ela como lembrança dos Beatles!” – sugeriu a Dot.

Quase 50 anos depois, com uma aparência ainda mais nojenta que na época da extração, o tal dente de John vai a leilão com lance mínimo de 10 mil libras (R$ 28 mil).

Afora o analgésico milagroso que viabilizou este final feliz para a emergência odontológica, o noticiário também não esclarece que fim levou a filha da governanta. É o irmão dela, Barry Jarlett, quem está com a faca nos dentes neste negócio. Quem dá mais?!