Inveja do Bush

Tutty Vasques

13 Novembro 2010 | 06h32

n,Parece que foi ontem! Em abril de 2009, Barack Obama disse em sua primeira cúpula do G-20 que Lula era “o cara”, salvando a reunião do fracasso de praxe. Naquele tempo, qualquer bobagem que o recém-empossado presidente dos EUA dizia em público enchia o mundo de esperança. O planeta nunca mais seria o mesmo depois dele, acreditava-se.

Um ano e meio depois, encontros dos 20 principais chefes de estado do mundo continuam não resolvendo absolutamente nada na prática, mas esta semana, na rodada de Seul, Obama mostrou que também já não tem a mesma disposição para dizer nada surpreendente, ainda que só engraçado ou instigante. Dessa vez, a rigor, ele não disse nada! Teria, inclusive, cochilado na conversa com o chinês Hu Jintao. Parece que perdeu a vontade, cansou de ser uma luz no fim do túnel.

O que ainda motiva Barack Obama na presidência dos EUA é a perspectiva de que, depois da Casa Branca, poderá ter uma vida mais ou menos como a de George W. Bush nesses últimos tempos. Como diz a doce Michele nos momentos de maior aflição do presidente, “vai passar, baby, vai passar”!