Inveja do papa!

Tutty Vasques

16 de fevereiro de 2013 | 06h40

REPRODUÇÃOSe todo papa tivesse seu próprio marqueteiro, o de Bento XVI seria exaltado como uma espécie de Duda Mendonça de Deus! A incrível transformação promovida esta semana na imagem de Joseph Ratzinger não tem similaridade no mundo da política – com todo respeito ao belo trabalho que o Duda Mendonça da Bahia fez com Paulo Maluf em 1992.

A renúncia, indiscutivelmente, fez um bem danado ao Pontífice e à sua popularidade! Nunca antes na história recente do Vaticano, Bento XVI havia se mostrado como nos últimos dias: simpático, sincero, sorridente, descontraído, articulado, bem disposto, surpreendente e carismático.

A fama de “rígido” e “conservador” diluiu-se de repente num gesto aplaudido por sua, “grandeza”, “humildade”, “sensatez”, “coragem”, “heroísmo”, “magnanimidade” e “espírito inovador”.

Faltando ainda 12 dias para “se esconder do mundo”, o papa cumpre tabela em aparições consagradoras para fiéis e religiosos católicos. A cada volta olímpica, fala em “hipocrisia religiosa”, em “renovação verdadeira”, como se fizesse oposição ao seu passado. Caiu, enfim, na graça do povo!

Maluf deve estar morrendo de inveja!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: