Ladrões de cadeirinha

Tutty Vasques

03 de setembro de 2010 | 06h24

reprodução

reprodução

O Departamento de Roubo de Acessórios de Veículos Automotivos (DRAVA), órgão de segundo escalão do chamado “Crime Organizado”, está arregimentando mão-de-obra para uma nova frente de trabalho nas ruas das grandes cidades brasileiras: vêm aí os ladrões de cadeirinha!

         Pelos cálculos da bandidagem, a entrada em vigor da lei de obrigatoriedade do equipamento em carros com crianças a bordo vai, muito em breve, fazer circular por aí tantas cadeirinhas quanto hoje são os CD players em trânsito no País. Com uma vantagem evidente: não darão a metade do trabalho exigido no furto de um rádio.

         A relação custo/benefício do negócio salta aos olhos da cara: tem cadeirinha de R$ 900 nas melhores lojas do ramo de São Paulo, o que garante, de cara, bom preço de revenda. No Rio, em especial, onde as UPPs deixaram um bocado de traficante desempregado, a diversificação deve ser imediata nas duas pontas da atividade: a comercialização da mercadoria roubada será feita a partir da semana que vem por camelôs egressos do “movimento”.

         Fale a respeito com a sua seguradora! Já deve existir uma linha de seguros para cadeirinhas. Melhor prevenir, né?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.