Lei de Gerson: lavou, tá novo!

Tutty Vasques

04 de dezembro de 2010 | 06h22

jbhO brasileiro está decepcionado! Esperou meses a fio para saber o terrível segredo que conectava o personagem de Marcelo Anthony à internet na novela Passione e, no capítulo da última segunda-feira, diante da revelada atração de ‘Gerson’ por “sexo sujo”, o telespectador reagiu como se gostar do “cheiro fétido de relacionamentos mantidos em banheiros públicos” fosse a coisa mais normal do mundo. Daí a frustração do distinto público com o desfecho do mistério.

“Só isso?” – comenta desde então a classe média no horário nobre do jantar. Foi, também, o que o psiquiatra de plantão no folhetim, Flávio Gikovate, no papel de si mesmo, atestou a seu paciente fictício: “Pensamentos deste tipo povoam a mente de todos os homens.” Em último caso, como se diz nos botequins, “lavou, tá novo”!

Não quer dizer, necessariamente, que seus vizinhos sejam sexualmente muito mais liberais e avançados que você, caro leitor habituado a tomar banho antes de ir pra cama. É que, de tanto se estarrecer com o noticiário, a família brasileira já não se escandaliza com mais nada. Não raro, como no caso, acha até pouco!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: