Má notícia enganosa

Tutty Vasques

11 de dezembro de 2010 | 06h36

hshgExistem mil maneiras de se tratar a má notícia fora do âmbito do entretenimento aqui proposto. Tem leitor que procura o jornalista indignado, tem leitor que encontra na tragédia alheia conforto à própria desgraça, tem leitor fissurado em obituários, tem leitor pra tudo, né? Ô, raça!

É natural que a imprensa explore todos os nichos do mercado consumidor de informação, mas – vão dizer que estou aderindo ao controle da mídia! – é preciso dar um basta à má notícia enganosa disseminada na Internet.

Chamava atenção ontem numa dessas revistas eletrônicas de variedades o destaque de primeira página para a foto de um ônibus incendiado na Indonésia. Se foi provocado por um curto circuito e não feriu ninguém, como dizia a notícia na outra ponta do link, por que diabos a imprensa se vê no direito de tomar o tempo do leitor com este tipo de ocorrência banal e exótica?

Na mesma hora do tal incêndio em Jacarta, teve gente que ficou presa em elevador de Xangai, caiu granizo na Cidade do Cabo, faltou luz em Havana, um bonde descarrilou em Lisboa, saquearam um mercadinho em Cochabamba, e nós com isso, né não?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.