Mais um sério candidato a nada

Tutty Vasques

27 de agosto de 2013 | 00h03

ILUSTRAÇÃO POJUCANRefugiado há 434 dias num cubículo mal ventilado da Embaixada do Equador em Londres, Julian Assange fez ontem as contas: faltam três semanas para o fundador do WikiLeaks superar a marca de confinamento do senador boliviano Roger Pinto, resgatado cinematograficamente da Embaixada do Brasil em La Paz na sexta-feira passada, após 455 dias de asilo político na clausura de um quartinho sem janelas.

Assange não deve ter lá muita esperança do mesmo final feliz para o seu caso pelo simples fato de que não existem na diplomacia equatoriana anjos da guarda como o que planejou e conduziu a fuga do opositor de Evo Morales. Eduardo Sabóia, embaixador interino do Brasil em La Paz, agiu corajosamente por impulso humanitário à revelia de ordens superiores dos almofadinhas do Itamaraty!

Chamado de volta à Brasília, pode estar com a carreira diplomática em risco, mas tem boas chances de figurar ao lado do ministro Joaquim Barbosa na lista dos candidatos a nada mais votados do País.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.