Marta adota nova minoria

Tutty Vasques

11 Novembro 2011 | 02h42

reproduçãoO mundo LGBT está meio órfão! Lésbicas, gays, bissexuais e transformistas de toda sorte desconfiam que, sempre à frente de seu tempo, Marta Suplicy tenha adotado oficialmente no Senado a defesa dos interesses de uma nova minoria social.

Nunca antes na história desse País uma liderança política havia levantado a voz no Congresso para proteger o consumidor de bombom de licor:

“Quem dirigir depois de comer dois ou três desses de cereja com Cointreau, por exemplo, poderá ser criminalizado no teste do bafômetro pelas novas regras da lei seca?”

Ainda que, particularmente, você não conheça ninguém que cultive esse hábito, imagina quantas senhoras louras respiraram aliviadas após parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) atestando, a propósito do questionamento da senadora, que bombom de licor não incrimina ninguém ao volante, independentemente de seu sabor ou da cor do cabelo do motorista.

Foi só a primeira vitória de uma luta que se anuncia longa. Não demora muito, o que vai ter de comedor de bombom de licor saindo do armário em blitz da madrugada, capaz até de dar quórum para marcha na avenida paulista.